terça-feira, junho 28, 2005

2. Adesão e colaboração

logo do Movimento
...
...
Como aderir e colaborar


Cidadania em acção – movimento cívico e apartidário – conta já com a adesão de vários bloguistas e bem assim de outras pessoas que, embora não dispondo de blogs próprios, pautam a sua acção pela inserção de comentários ou tomam conhecimento do conteúdo das mensagens inseridas nos vários blogs portugueses.


Adesão

Qualquer bloguista que entenda justa e necessária a existência de cidadania em acção e que, por esse facto, pretenda aderir, poderá e deverá fazer inserir no seu blog o logotipo do Movimento, que está afixado neste blog, para o que bastará que do mesmo faça um copy & paste.

Dará, deste modo, a saber a todos quantos visitem o seu blog, que é apoiante e colaborador do cidadania em acção.

No caso de não possuir blog, a sua adesão poderá fazer-se mediante mensagem a dirigir a cidadania em acção, através do endereço electrónico que estará disponível neste blog, declarando que autoriza que o seu nome e a adesão sejam, ou não, divulgados nessa qualidade.

Em tempo oportuno será divulgada lista de aderentes que não tenham usado da prerrogativa da reserva de identidade.


Colaboração

A actuação principal de cidadania em acção passa pelo questionamento dos procedimentos de entidades e personalidades públicas, cujo desempenho de cargos igualmente públicos, provoque a necessidade de esclarecimento geral, relativamente a factos que cheguem ao conhecimento do Movimento.

Assim,

Qualquer cidadão que tenha conhecimento de procedimentos públicos que, por qualquer motivo, lhe pareça necessitarem de esclarecimento democrático a ser prestado aos portugueses, deverá - através do email deste blog - fazer chegar o assunto (com factos, designação de entidades e nomes de pessoas envolvidas) ao Movimento, a fim de que, após a necessária ponderação e decidido o questionamento, cidadania em acção se dirija directamente ao(s) visado(s), a fim de obter o esclarecimento devido.


Trâmites do questionamento

1. Uma vez decidido o questionamento, cidadania em acção remeterá à entidade/pessoa em causa, questionário acerca dos factos que lhe tenham sido relatados, solicitando-lhe que, em determinado prazo, normalmente 15 dias, os confirme ou infirme, em qualquer dos casos justificando a posição.

2. Obtida resposta ou decorrido o prazo sem que ela se verifique, do facto será então - e nunca antes - dado conhecimento geral, por publicação no blog do Movimento ou por quaisquer outros meios que o Movimento julgue adequados.

3. Dos trâmites deste procedimento será dado conhecimento à entidade ou pessoa questionada, quando do questionamento.

4. Sendo o caso de, em seu avisado critério, o núcleo de decisão do Movimento, entender que a alegação que lhe chegou não corresponde à verdade ou não justifica uma actuação como a que o Movimento se propõe prosseguir - ou por qualquer outro motivo ponderoso - do facto será dado conhecimento sigiloso ao alegante, pelo que qualquer pedido ou sugestão de averiguação deve fazer-se acompanhar de endereço electrónico da pessoa que tomou a iniciativa.

5. Cidadania em acção tomará as providências adequadas para que, até ao limite do possível, se salvaguarde a reserva de identidade da pessoa de quem partiu a iniciativa, no caso de tal reserva ter sido solicitada.

6. De igual modo, cidadão que tenha conhecimento de procedimentos públicos que, por qualquer motivo, lhe pareça deverem ser publicitados, como exemplo de boas práticas e comportamentos a seguir, deverá – também pelo email do Movimento - fazer chegar o assunto (com factos, designação de entidades e nomes de pessoas envolvidas) ao Movimento, a fim de que cidadania em acção divulgue tais factos, comprovativos de que nem tudo é mau no nosso País, havendo pessoas e instituições que, pela sua prática, se distinguem pela positiva, servindo de exemplo de procedimento adequado à construção da sociedade desenvolvida e de saudável convívio entre todos, que almejamos.

2005 Junho 28

cidadania em acção
- movimento cívico -

...

segunda-feira, junho 27, 2005

1. Princípios e objectivos

logo de Cidadania em Acção
...
...
Princípios e objectivos

Tendo em atenção a situação extremamente difícil com que Portugal está defrontado, cujas causas e responsabilidades se encontram enunciadas no comunicado É tempo de agir!, transcrito em Design de Intervenção, O Sítio do Ruvasa e Terras de Azurara, os bloguistas Azurara, Ruvasa, Sulista e Tira Nódoas, - verificada a impossibilidade de prosseguimento, por inesperadas e não superadas dificuldades técnicas, do “Movimento Cidadão Atento” – reunidos agora em

cidadania em acção
movimento cívico e apartidário

que se bate
pela gestão criteriosa e isenta dos recursos públicos
e pela moralização da política portuguesa

que decidiram criar, anunciam publicamente que a sua actuação será pautada pela estrita observância de princípios de clareza, transparência e frontalidade de acção, que passará pelo questionamento dos procedimentos de entidades e personalidades públicas, no desempenho de cargos igualmente públicos, que cheguem ao seu conhecimento e que, por qualquer motivo, devidamente ponderado, se lhes afigure necessitarem de esclarecimento democrático a prestar aos cidadãos portugueses.

Esse questionamento observará as necessárias cautelas, no sentido de que jamais seja posta em crise a honorabilidade de instituições, entidades ou pessoas, mas sem que tal circunstância inviabilize o objectivo, que é uma exigência, de obter e colocar à disposição do público em geral os esclarecimentos indispensáveis, no respeito devido a sociedade que se pretende democrática e que nessa configuração reclama ver-se reconhecida.
...
Não se esgota a nossa intenção, porém, no apontar das más práticas e de questionar quem por elas seja responsável.

Pretendemos ir mais longe e divulgar igualmente o que de positivo se vai fazendo em Portugal, atribuindo aos seus autores os méritos que lhes são próprios.
...
Porque os Portugueses estão saturados de tantas dificuldades e maus desempenhos, precisando de algo que lhes dê alento e os leve a acreditarem nas virtualidades das instituições que temos, nas potencialidades das pessoas que somos, no povo excelente que constituímos, na sociedade que queremos construir para os nossos descendentes.

Se outros meios de comunicação social, que teriam a obrigação de o fazer, ostracizam esse seu dever inafastável, não teremos qualquer dúvida em assumirmos nós a digna tarefa.

2005 Junho 28

cidadania em acção
- movimento cívico -
...